CET sugere uso do metrô para visitar Salão do Automóvel em Santana

Se você quer ir ao Salão do Automóvel, deixe o carro em casa. Pelo menos é o que recomendam a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) e a própria organização do evento, que espera receber 600 mil pessoas nos próximos 12 dias. A orientação é de que o visitante vá de metrô até a Estação Tietê (Linha 1 – Azul) e, de lá, siga no ônibus circular gratuito do evento até o Pavilhão de Exposições do Anhembi, na Marginal do Tietê, região de Santana.

O embarque vai ser feito na saída da Estação Shopping do Terminal Rodoviário Tietê, contíguo ao metrô. A periodicidade dos ônibus não foi informada, mas eles começam a sair uma hora antes da abertura do Salão e ficam em operação até uma hora depois de fecharem os portões do Anhembi.

Quem optar por ir de carro precisa ficar atento aos preços e ao limite de vagas. O estacionamento do local vai custar R$ 25 (a diária) para carros, R$ 15 para motos e R$ 50 para ônibus. O pavilhão tem espaço para 8.500 veículos, mas a organização vai contar com o apoio de outras 6 mil vagas do estacionamento ao lado da Uni Sant?Anna, na Rua Voluntários da Pátria, 344. Lá, o motorista paga R$ 10 para cada 12 horas de permanência e tem direito a uma van gratuita de ida e volta até o Anhembi.

O evento promete ainda colocar balcão de táxi próximo do portão 26, de tarifa comum e especial. A CET também planeja mudar o esquema de trânsito na região, com o bloqueio de ruas no entorno e a sugestão de rotas alternativas pelas Avenidas Brás Leme e Presidente Castelo Branco, sentido Rodovia Ayrton Senna.

A entrada individual custa R$ 40 para adultos e R$ 30 para crianças de 5 a 12 anos (menores de 5 anos não pagam). Haverá ainda dois restaurantes e 15 lanchonetes na área.

Serviço

Salão do Automóvel.

Local: Pavilhão de Exposições do Anhembi – Avenida Olavo Fontoura, 1.209, Santana.

Hoje, dia 27/10: das 14 horas às 22 horas.

De 28/10 a 6/11: das 13 horas às 22 horas (entrada até uma hora antes)

Dia 7/11: das 11 horas às 19 horas (entrada até as 17 horas)

Fonte: O Estado de S. Paulo




Deixe seu comentário