Desfiles das escolas de samba de SP levam 32 mil a Santana nesta sexta

Pelo menos 32 mil pessoas estarão nesta sexta-feira no sambódromo do Anhembi, em guia do bairro Santana, para acompanhar os desfiles da primeira noite do carnaval paulistano. Quatorze escolas desfilam pelo grupo Especial a partir de 23h. De volta ao Grupo Especial, a Unidos do Peruche abre o carnaval da cidade com o centenário do Teatro Municipal de São Paulo. Em meio à dança e teatralização, a Peruche traz uma ala com 60 drag-queens, que vão representar a peça “Vestido de Noiva”, de Nelson Rodrigues. O abre-alas terá uma plateia para retratar tudo o que passou pelo Municipal em 100 anos, como óperas e danças.

Em seguida entra no sambódromo a Tom Maior, que vai cantar São Bernardo do Campo, cidade do ABC paulista que abrigou as manifestações dos metalúrgicos e tornou conhecido em todo país o ex-presidente Lula. A presença de Lula no desfile da escola, porém, ainda é uma incógnita. O enredo mistura a história do santo São Bernardo com a origem da cidade. O desfile foi dividido em pólos: cultural, represa Billings, moveleiro e automobilístico. A Vera Cruz, companhia cinematográfica fundada em São Bernardo no final dos anos 40, será um dos pontos altos do desfile.

A presença e a alegria do povo nordestino em São Paulo são a aposta da Acadêmicos do Tucuruvi. No final do ano passado, a escola chegou a receber e-mails de ofensas e ameaças por conta do enredo, mas segui em frente. Um dos carros, o “Danado de Bom”, terá uma escultura de Luiz Gonzaga com cerca de 7 metros de altura. Simbolizando a fé nordestina, um Padre Cícero, com 8 metros de altura, também será visto no desfile da escola da Zona Norte. Edifícios como Copan e do Masp ganharam cores e estilos culturais nordestinos.

Quarta escola a se apresentar, a campeã Rosas de Ouro quer desejar sorte ao folião neste carnaval. O enredo é abstrato, mas o público é bem familiarizado com os elementos que compõem o enredo: trevo de quatro folhas, loterias, o número 13, figas e ferraduras. E para quem aprecia o biscoito chinês da sorte, a sua história será revelada na avenida.

A Mancha Verde contará a história de grandes criadores da humanidade como Albert Einstein e Leonardo da Vinci, e seus feitos. O Abre-alas simboliza o instante em que Deus cria o mundo. A alegoria simbolizará o barro, que se transformará na avenida. Dali surgirão mais de 60 espécies de bichos. As criações de Da Vinci, como os quadros, vêm no segundo carro da Mancha Verde.

Na mistura do popular com o erudito, a Vai-Vai faz uma homenagem ao maestro e pianista João Carlos Martins. A escola faz surpresa do local onde o maestro desfilará. Com 70 anos de idade, o pianista se tornou maestro após alguns problemas nas mãos o impossibilitarem de tocar piano. Uma das grandes sensações da Vai-Vai promete ser apresentação da Orquestra Bachiana junto com a bateria do Mestre Tadeu.

Setenta judeus vão abrir o desfile da Pérola Negra, que encerrará a primeira noite do carnaval 2011. A agremiação da Vila Madalena escolheu contar a lenda de Abraão, o patriarca do judaísmo. Um dos carros da Pérola terá chafarizes que vão lançar leite e mel.

Fonte: O Globo




Deixe seu comentário