Testemunhas dizem à polícia que empresário reagiu a assalto em Santana

Testemunhas disseram à Polícia Civil que o comerciante Pedro Alberto Pereira, de 46 anos, foi morto com um tiro no peito após reagir a um assalto anunciado por um homem armado que abordou a vítima quando ela parou seu carro, um Audi A3, no sinal vermelho do semáforo que fica no cruzamento das esquinas das ruas Voluntários da Pátria com a Santa Eulália, no bairro Santana. As informações das testemunhas estão no boletim de ocorrência feito no 13 Distrito Policial, Casa Verde, para investigar o caso.

O crime ocorreu na noite de quinta-feira (1) e foi registrado como homicídio. Como o criminoso fugiu após o disparo sem ser identificado e a autoria do assassinato ainda é desconhecida, o caso deverá ser apurado pelo Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP).

Segundo prostitutas e travestis que fazem programas sexuais em troca de dinheiro durante à noite em ruas próximas, o motorista arrancou com o carro quando o assaltante se aproximou e anunciou o roubo, por volta das 23h. Não foi informado o que o bandido estaria querendo. Em seguida, foi escutado um disparo pelas testemunhas. Mesmo baleado, Pereira ainda conduziu o seu veículo até o Pronto Socorro Municipal Doutor Lauro Ribas Braga, que fica na esquina de onde ele foi atingido. O automóvel chegou a colidir na parede da unidade médica.

“Ele [motorista] não fez a curva e bateu aqui na parede. Eu dei um pulo para trás. Depois vi que tinha sangue no abdome dele e começaram a gritar: ‘baleado, baleado!’. Ele ainda falou: ‘socorro’, virou a cabeça de lado e foi socorrido pelos enfermeiros. Disseram que a bala atravessou seu pulmão e saiu. O hospital parou por causa disso”, disse a dona de casa Jane Regina Silveira Santos, que acompanhava um paciente no hospital municipal.

Procurada, a assessoria de imprensa da Secretaria Municipal de Saúde, confirmou que Pereira foi socorrido ainda com vida na unidade, mas não resistiu ao ferimento causado por arma de fogo que atingiu seu tórax e morreu em seguida.

O irmão da vítima, um técnico, afirmou à polícia que sentiu a falta de uma corrente de ouro que Pereira usava no pescoço. A suspeita é que ela tenha sido levada pelo criminoso. Procurado pelo G1, ele não quis falar sobre o caso. Até o início desta manhã, o corpo do comerciante estava no Instituto Médico Legal (IML) para ser liberado. Investigadores informaram que a vítima era separada e tinha um filho e um neto. Atualmente, ela trabalharia no ramo de transportes de moto frete e estaria querendo abrir uma choperia.

De acordo com a Polícia Militar, o vidro do lado do motorista do carro de Pereira foi encontrado entreaberto. Havia sangue no banco. A Polícia Civil vai requisitar imagens de câmeras de segurança da região para saber se elas gravaram a ação.

Fonte – G1




Deixe seu comentário